Skip to content

Linha Amarela

janeiro 31, 2006

Saindo do shopping, olhou para as vagas dos carros e pensou em como aquelas linhas amarelas limitavam e ao mesmo tempo organizavam o funcionamento do estacionamento. Sem reparar em mais nada, guiava o seu olhar pelos retângulos amarelos até quase ser atropelado por um veículo que fazia uma curva em alta velocidade. Depois de ter sido xingado pelo motorista que balançava a cabeça num gesto de inconformismo, ele continuava a sua peregrinação pelo estacionamento, sem se preocupar com o tempo ou com a chuva fina que cobria a sua cabeça.
Na verdade, àquela hora da manhã, poucos carros preenchiam o espaço reservado para tal e isso permitia uma circulação livre, assim como fluiam os seus próprios pensamentos. No entanto, não conseguia deixar de imaginar o que seria daquele estacionamento sem aquelas meras linhas amareladas e mal pintadas no solo do centro comercial. Pensava no que seria do mundo sem as linhas amarelas do pensamento e da moral. Será que o Universo deixaria de se expandir, caso existissem linhas amarelas na época da sua formação?
O percurso já quase chegava ao fim quando resolveu pisar em cima das linhas e, como numa brincadeira infantil, equilibrar o seu pé sobre a reta imaginária enquanto continuava a meditar sobre a Teoria das Linhas Amarelas. Os carros paralelos entre si eram a prova de que a sociedade precisava daqueles limites. Mas ao mesmo tempo, ao olhar para os outros veículos, tortos e mal estacionados, não deixava de pensar em como aquelas linhas só existiam na sua própria cabeça e na de quem lia linhas no vazio.
De repente, e de propósito, se deixa cair de cima da linha de 1 milímetro de altura e começa a olhar para o horizonte dos tetos dos automóveis. Os carros organizados deixaram de fazer sentido para ele e cada vaga retangular passou a ser apenas uma pausa para a próxima linha, até a próxima pausa, até que elas não existam mais. Vivia, assim, na esperança das marcas desbotadas perderem a sua cor para sempre.

Anúncios
3 Comentários leave one →
  1. Mauro Castro permalink
    janeiro 31, 2006 8:00 pm

    Celinho foi um baixista de uma banda que eu toquei. Grande pudim-de-trago. Espero que não seja assim contigo hahaha. Há braços!!

  2. Srta. Bia permalink
    fevereiro 1, 2006 1:05 pm

    mas aí vem alguém e pinta a linha de novo, não é?

    e pensar que mesmo retas e amarelas, as pessoas muitas vezes não procuram ser assim e são chamadas de barbeiros. meu os chamo assim…rs

  3. Milady Carol permalink
    fevereiro 1, 2006 3:40 pm

    Pra mim, Linha Amarela é aquela via expressa do Rio de Janeiro… Praia!!! 😀

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: