Skip to content

Sempre a Lua

março 24, 2011

Todo o mundo sempre coloca a culpa nela. Teve enchente? Não pegou peixe? O cabelo não cresceu? Acordou mau humorado? O lobisomem te atacou? Tudo culpa da Lua, aquela redondinha que ilumina as nossas noites e que substitui o Sol na árdua tarefa diária de mostrar que afinal não vivemos num cenário e que se por acaso estivéssemos num filme, não seríamos os atores principais.
Durante séculos olhamos para ela com respeito e mistério. Não sabíamos o que existia no seu lado oculto, aliás nem no lado visível. Tivemos que ir lá em cima, pisar e tirar a prova por nós mesmos, tomar posse e gritar “é minha”, apesar de sabermos muito bem que a Lua é de todos e não é de ninguém.
Depois disso, o ser humano abandonou a coitadinha. Ir à Lua? Pra que, meu Deus se a gente já foi lá tantas vezes? Colonizar a Lua? Talvez, mas só se não tiver mais nada pra fazer. Chegamos ao ponto de rebaixá-la na hierarquia dos astros e escrever o seu nome com letra minúscula. Começamos a tratar os corpos celestes com intimidade. O “sol”, a “lua” mas por outro lado, a “Terra”, afinal é onde NÓS moramos e o que importa é sempre o nosso umbigo.
E a Lua, que já inspirou tantos amantes, iluminou tantos navegadores e aconselhou tantas dúvidas foi diminuída à mera coadjuvante das nossas vidas. Sabemos onde ela está, pra que serve e do que é feita, página seguinte.
Mas na semana passada, voltamos a pensar na Lua de uma maneira diferente, simplesmente porque ela estaria mais próxima, mais brilhante e mais bonita. Fotógrafos, cinegrafistas, astrônomos amadores e curiosos, todos tiraram cinco minutos do seu dia para estar do lado de fora, levantar a cabeça e, por alguns momentos, não fazer nada além de olhar para a Lua, tentando achar diferenças de brilho, de tamanho, de cor, para no final poderem dizer que participaram desse momento único.
Emoção, sorrisos, fotos, tudo documentado e guardado. Agora posso contar um segredo. A Lua não estava diferente, ou pelo menos não muito mais do que a maneira como lembramos dela. Para ilustrar, conto um trecho de um episódio da série “Anos Incríveis” em que Kevin Arnold queria faltar na escola e inventou para a mãe que estava com dor de garganta. Ela pede para que seu filho abra a boca e diz “é, realmente parece mais vermelha mesmo” e a voz off de Kevin observa que “felizmente ela não sabia como era a minha garganta normalmente”. Então, se precisamos imaginar que alguma transformação ocorreu para que voltemos a amar a Lua como antes, que assim seja.

Anúncios
One Comment leave one →
  1. abril 13, 2011 1:48 am

    Vim agradecer o comentario no meu blog. Eu gosto da sua forma de escrever, mas acho que poderia escrever mais. Tempo pode ser pouco, mas escrever e’ terapia e faz bem ate’ para os que leem seu texto. Acho que deveria escrever mesmo sobre seu boss. Seria divertido ler sobre aquilo que eu vivo constantemente! Um abraco!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: